Liberte-se

Imagem do Pinterest
li·ber·da·de (latim libertas, -atis) 
substantivo feminino 
1. Direito de proceder conforme nos pareça, contanto que esse direito não vá contra o direito de outrem. 
2. Condição do homem ou da nação que goza de liberdade. 
3. Conjunto das .ideias liberais ou dos direitos garantidos ao cidadão. 
4. [Figurado] Ousadia. 
5. Franqueza. 
6. Licença. 
7. Desassombro. 
8. Demasiada familiaridade. "liberdade".

Eu podia jurar que te conhecia. Achava que sabia quais eram os seus medos, inseguranças, desejos e sonhos. Eu te considerava como a minha confidente, que podia contar com você para tudo que acontecesse, e acreditava que isso era um sentimento reciproco. Sempre que alguma coisa de errada acontecia eu te procurava para desabafar e sempre estive de braços abertos para te ajudar no que fosse preciso. 

Porém, o que eu não podia imaginar era que eu estava vivendo uma grande ilusão.

Não vou ficar escrevendo e prolongando sobre os problemas que aconteceram durante a nossa amizade, até por que eu não sei se uma atitude diferente poderia ter mudado o rumo das coisas. Minha mãe costuma a dizer que Deus escreve certo em linhas tortas, talvez isso era algo que iria acontecer em determinado momento. O jeito é aceitar, depois de muita relutância, que isso chegou ao fim.

Sim, nossa amizade chegou ao fim.

Nem adianta falar que eu to sendo dramática ou que eu estou exagerando. É melhor encarar a verdade, por mais que ela machuque muito, do que ficar vivendo uma ilusão e acreditando que as coisas iriam voltar a ser como antigamente. Nossa amizade tomou um rumo sem volta e concerto, o jeito é aceitar isso. Pense nisso como o processo de tirar um band-aid: no início doí bastante, mas depois a dor passa. 

Apesar de tudo que aconteceu eu não guardo nenhum rancor. Tenho em minhas memórias as boas recordações do tempo que passamos juntas, das risadas que demos, nas encrencas em que nos metemos e das ideias malucas que a gente tinha. Por mais que passamos por uma fase ruim nesse último ano, não acho que compensa apagar todas as boas memórias e bons momentos que passamos juntas. Seria hipocrisia minha ignorar que um dia você já foi muito importante na minha vida.

É com a consciência tranquila que eu to colocando um fim nessa relação. Vai ser melhor pra todo mundo. Espero que você seja feliz e todas essas coisas boas que as pessoas desejam umas para as outras. Enquanto a mim, pode ficar tranquila que eu vou ficar bem. Ou melhor, eu já estou bem. Fiz novas amizades, me reaproximei de velhos amigos e sinto que estou vivendo uma das melhores fases da  minha vida.

Resenha: O Garoto Está de Volta

Título: O Garoto Está de Volta
Autor(a): Meg Cabot
Editora: Galera Record
Número de páginas: 352
Classificação: 3/5
Comprar: Amazon

Meg Cabot é uma das minhas autoras favoritas. Eu cresci lendo seus livros e me apaixonando por cada um de seus personagem, por casa uma de suas histórias.  Independente do tempo que passe eu vou continuar comprando os seus livros e relendo algumas histórias antigas, pois o meu amor pela Meg é infinito. E depois de tantos anos filialmente resolvi dar continuidade a coleção Garoto (O Garoto da Casa ao Lado, Garoto Encontra Garota, Todo Garoto Tem e O Garoto Está de Volta). Foi uma verdadeira sensação de nostalgia poder estar em contato novamente com esse trabalho da autora.

"Reed Stewart pensou que todos os problemas da cidade pequena – incluindo um coração partido – haviam ficado para trás quando ele abandonou Bloomville, Indiana para se tornar um rico e famoso profissional do golfe. Até um post na internet ressuscitar todas as suas inseguranças de adolescente e levá-lo de volta à pequena cidade natal. Becky Flowers investiu tempo e recursos para se tornar uma bem-sucedida profissional do ramo de realocação de idosos. Mas ela trabalhou ainda mais duro para esquecer que Reed Stewart sequer existia. Ela não tinha, absolutamente, a menor intenção de revê-lo, agora que ele voltou. Até a família do garoto a contratar para ajudar na mudança dos pais."

O livro narra a história de Becky Flowers e Reed Stewart. Os dois namoraram durante a época do ensino médio, mas um incidente no dia da formatura fez com que os dois se separassem. Reed deixou sua cidadezinha natal e dedicou-se ao golfe, tornando-se um famoso jogador profissional. Enquanto Becky, ela acabou trabalhando duro para conseguir sucesso com sua empresa que trabalha no ramo de realocação de idosos.

O que poderia acontecer para a vida de ambos se cruzar novamente após 10 anos separados? Tudo começou com um escândalo envolvendo os pais de Reed, que fez com que o jogador de golfe voltasse para sua cidade natal com o objetivo de ajudar sua família a resolver esse problema. Um encontro entre Reed e Becky acaba sendo inevitável devido a constante interferência de Carly, sua cunhada que está determinada a ver Reed voltar com a ex-namorada do colegial. Além disso, a empresa de Becky que é a responsável para ajudar na mudança dos pais de seu ex-namorado.

"Qual é o meu problema? Na verdade, eu sabia qual era o problema. Era Reed Stewart, que estava de volta (pelo menos em espirito) para estragar minha vida. DE NOVO."
Devido ao passado de ambos, é quase impossível não sentir uma leve atração, sem contar que é como se as velhas lembranças voltassem para os assombrar. Por mais que tente se manter afastada de Reed, isso parece ser uma tarefa muito complicada para Becky. É como se ele o seguisse para onde quer que ela fosse. Por mais que uma reconciliação seja muito tentadora, Becky não é capaz de se esquecer dos problemas que levaram ao término deles há 10 anos.

Contudo, a aproximação entre Reed e Becky acaba sendo fundamental para desvendar alguns mistérios envolvendo os patriarcas da família Stewart e de seus membros. Será que os pais de Reed realmente estão ficando com a mente debilitada como todos especulam? Ou será que algo de mais grave está acontecendo na casa da família Stewart?

"Ai, Deus. Isso vai ser um desastre ainda maior do que eu esperava."

Assim como os outros livros da série Garotos, o desenvolvimento de "O Garoto Está de Volta" se dá através por troca de e-mails, mensagens e até mesmo algumas postagens de blog. Ao mesmo tempo em que isso cria um clima nostálgico, por manter a mesma fórmula dos volumes anteriores, também tem o fato negativo que não consegue desenvolver os personagens muito bem. Todas as informações estão contidas apenas nas mensagens trocadas, não há algo que vai além disso. A Bruna de 13 anos teria amado o livro completamente, mas, agora, sinto que esse modelo de escrita acaba prejudicando um pouco no desenvolvimento.

Devido a minha experiência com as leituras anteriores eu estava com muitas expectativas para "O Garoto Está de Volta", mas acabei me decepcionando um pouco. Por mais que foi uma sensação um pouco nostálgica,  eu estava esperando me divertir mais assim como tinha me divertido com as leituras anteriores. Contudo, acho que esse fator se deu devido a minha idade. Atualmente o meu gosto literário mudou um pouco em comparação a quando eu era adolescente, então não é como se isso fosse um defeito exclusivamente do livro.

Resenha: Só os Animais Salvam

Título: Só os Animais Salvam
Autor(a): Ceridwen Dovey
Editora: DarkSide Books
Número de páginas: 240
Classificação: 3/5
Comprar: Amazon

Como de costume a minha Laura, do blog Nostalgia Cinza, só indica livros maravilhosos e isso não foi diferente com "Só os Animais Salvam". Depois de procurar pela obra em todas as livrarias da cidade onde eu moro, uma das minhas melhores amigas me deu o livro de aniversário e eu não poderia ter ficado mais feliz com isso (muito obrigada, Marina). Espero que vocês gostem da resenha e que se interessem por esse livro maravilhoso.

"Nós, humanos, nos achamos o máximo. Mas o que temos feito com o nosso mundo? "Só os Animais Salvam" é um livro que tenta responder a essa pergunta de maneira inusitada. Cada um de seus contos é uma fábula moderna, narrada por um bicho diferente, vítima de uma de nossas incontáveis guerras. Em meio ao caos, os animais conseguem encontrar esperança e inspiração numa das atividades mais significativas que nossa espécie já criou: a literatura. Ceridwen Dovey reúne fragmentos e personagens da obra de escritores imortais e nos faz sonhar o sonho dos inocentes. Só os animais salvam."

O livro é dividido em dez contos, cada um retratando a alma de 10 animais diferentes: camelo, gata, chimpanzé, cachorro, mexilhão, tartaruga, elefante, urso, golfinho e papagaio. Cada animal, que viveu e morreu, narra a sua respectiva história que se relaciona com algum tipo de conflito causado pelos homens como, por exemplo, a Primeira e a Segunda Guerra Mundial ou a Guerra Fria. Em cada conto, é mostrado para o leitor que, de alguma forma, o ser humano sempre acaba interferindo ou sendo causador de uma adversidade que prejudica esses animais. 

Um fator interessante durante a leitura, é o fato de que a autora do livro citou trechos e falas de outros autores que também escreveram sobre animais. Ceridwen Dovey cita nomes famosos como George Orwell, Virginia Woolf, Tolstói, Sylvia Plath e José Saramago. Além disso, no final do livro o leitor pode encontrar informação sobre todos os autores que a Ceridwen usou como referência nos contos.

"Sorri. Era um ótimo raciocínio. "Quando morremos, nossas almas vão surgir juntas no céu", falei, sem responder exatamente a sua pergunta. "Sempre olharemos por vocês." 
Naquela noite, ouvimos os humanos lutando uns contra os outros com suas tecnologias  de fogo, em algum lugar da fronteira sul de nosso parque".
Como de costume só tenho elogios para fazer para a diagramação da editora DarkSide Books, que sempre demonstra ter um grande cuidado de seus livros. A capa é simplesmente maravilhosa e a parte interna do livro também é muito bonita, sempre apresentando o desenho da silhueta de cada animal. Foi um trabalho sensacional!

Uma das  únicas partes negativas da leitura foram alguns contos que, na minha opinião, foram meio confusos. No início da leitura eu estava um pouco confusa, não sabia ao certo se era um animal ou um humano que estava narrando a história. Levou um tempo para que eu me acostumasse com essa dinâmica do livro, sem contar que eu precisei reler alguns contos mais de uma vez para conseguir compreendê-los. 

"Humanos podem ter consciência de seus pensamentos; nós temos consciência de nossa respiração. É facílimo optar pela morte quando cada fôlego é uma questão de escolha. Não sou o primeiro golfinho a se suicidar, tampouco serei o último. Levamos a sério o assassinato de um humano".

A leitura de "Só os Animais Salvam" é muito delicada e é capaz de emocionar a qualquer um. Estamos acostumados com a visão dos homens a cerca dos conflitos que já aconteceram na humanidade. Não há nada de inovador em contar uma história que se passa durante a Primeira ou a Segunda Guerra Mundial, por exemplo. Ceridwen dá uma inovada ao retratar o olhar de cada animal e essa é a parte que emocionam, pois se tratam de criaturas com um coração tão puro e que sofreram tanto devido a ações dos homens. 

Meus Contos Favoritos:
1) Alma de Elefante
2) Alma de Papagaio 
3) Alma de Golfinho
4) Alma de Gata
5) Alma de Tartaruga